segunda-feira, 14 de abril de 2008

Vital Moreira no Causa-Nossa


Diz o Prof. Vital Moreira no seu Blog Causa-Nossa:


Os professores críticos do acordo sindical com o Ministério têm razão quando dizem que ele "valida" todas as reformas contestadas, desde o estatuto da carreira docente ao novo sistema de gestão escolar, desde o concurso para titular até à avaliação de desempenho. Mas esquecem-se de que entre a derrota sem nenhuma contrapartida -- que era a perspectiva realista, dada a intransigência ministerial naqueles pontos -- e a sua aceitação a troco de algumas vantagens significativas -- como sucede com a simplificação e uniformização da avaliação neste ano lectivo, a participação na avaliação e eventual revisão da avaliação no fim do ano de 2008-2009, um novo escalão remuneratório, etc. -- a opção sindical pelo acordo foi a mais sensata.A chave de todos os compromisso é que ambas as partes ganhem em relação ao que seria sem ele. Mas, como sempre sucede, há sempre os radicais que preferem tudo perder a qualquer compromisso com o "inimigo".



De facto, é reconfortante saber - ainda mais, pela pena de Vital Moreira - que o Governo não cede a manifestações de rua, a professores arruaceiros e a sindicatos pouco responsáveis, que mais não são do que caixas de ressonância partidárias!... Surpreendente: a Ministra, que ganhava o país, mesmo perdendo os professores, sentou-se à mesa e cedeu aos interesses dessa classe corporativa, manipulada por essas instituições pouco recomendáveis, que dão pelo nome de sindicatos... Surpreeendente, deveras surpreendente... Em bom português: "pela boca, morre o peixe...", meus senhores, "pela boca, morre o peixe..."!...

1 comentário:

José Eugénio M. Pereira da Costa disse...

É verdade!... Hoje, à tarde, figuras gradas do PS, vão desfilar p'la avenida para demonstrar o seu desencanto com a actual situação. Mas... não o fazem contra o governo, afirma Vasco Lourenço. Naturalmente. Já que os "culpados" p'la actual situação somos todos nós e é saudável que façamos alguma autocrítica. S´´o que fazer autiócrítica e, depois, permitir que tudo continue como dantes, é, grosso-modo, assim como ir à igreja, confessar-se, e voltar a pecar, voltar a cair nos mesmos erros.... ou não fôssemos nos um país "profundamente católico". Lavam-se os "pecados" e retornamos à nossa "vidinha"...Simples. Do que todos nós precisamos é de ser capazes de, uma vez "expurgado" o pecado, assumir a coragem de não voltar a " pecar". Doutro modo, não passa de uma grandessíssima demonstração de sinismo. Que este Portugal é, naturalmente, melhor que o herdado do 24 de Abril, ninguém tem dúvidas. Que estamos a anos-luz do Portugal almejado com o 25 de Abril, também não sofre grande contestação... E, as razões, todos nós as conhecemos. Agora, só nos resta saber adoptar os "remédios" que urge aplicar... Na Eslovénia... na Irlanda... ensinam, com prazer...
Abu Imrane.