terça-feira, 27 de maio de 2008

Pois é... mas...

Belo artigo o de Mário Soares no DN. Permito-me transcrever um excerto:

"Em Portugal, permito-me sugerir ao PS - e aos seus responsáveis - que têm de fazer uma reflexão profunda sobre as questões que hoje nos afligem mais: a pobreza; as desigualdades sociais; o descontentamento das classes médias; e as questões prioritárias, com elas relacionadas, como: a saúde, a educação, o desemprego, a previdência social, o trabalho. Essas são questões verdadeiramente prioritárias, sobre as quais importa actuar com políticas eficazes, urgentes e bem compreensíveis para as populações. Ainda durante este ano crítico de 2008 e no seguinte, se não quiserem pôr em causa tudo o que fizeram, e bem, indiscutivelmente, para reduzir o deficit das contas públicas e tentar modernizar a sociedade. Urge, igualmente, fortalecer o Estado, para os tempos que aí vêm, e não entregar a riqueza aos privados. Não serão, seguramente, eles que irão lutar, seriamente, contra a pobreza e reduzir drasticamente as desigualdades.

Já uma vez, nestes últimos anos, escrevi e agora repito: "Quem vos avisa vosso amigo é." Há que avançar rapidamente - e com acerto - na resolução destas questões essenciais, que tanto afectam a maioria dos portugueses. Se o não fizerem, o PCP e o Bloco de Esquerda - e os seus lideres - continuarão a subir nas sondagens. Inevitavelmente. É o voto de protesto, que tanta falta fará ao PS em tempo de eleições. E mais sintomático ainda: no debate televisivo da SIC que fizeram os quatro candidatos a Presidentes do PPD/PSD, pelo menos dois deles só falaram nas desigualdades sociais e na pobreza, que importa combater eficazmente. Poderá isso relevar - dirão alguns - da pura demagogia. Mas é significativo. Do que sentem os portugueses. Não lhes parece?..."


Mas, Sr. Dr. Mário Soares, só duas pequenas questões:

1.ª -
E se a sugestão de reflexão que propõe, cair, como parece provável - pela amostra junta - em saco roto?

2.ª -
Face à ascensão nas sondagens (e não só...) dos partidos PCP e BE, onde deverá o PS construir a ponte: à sua esquerda? Ou reeditando (estará recordado, por certo...) o célebre bloco central?


Dir-me-à o Sr. Dr. (sempre Presidente), com a elegância, inteligência e eloquência que lhe são merecidamente reconhecidas, um: "Olhe que não!... Olhe que não!..." ?...

1 comentário:

José Eugénio M. Pereira da Costa disse...

A excelência está mais preocupada com a provavel "queda" do seu partido do que com a pobreza que ele e todos os seus "amigos" do arco da governação, desde que Portugal vive em "democracia",foram incapazes de controlar. O país de Mario Soares é, agora, mais desigual, do que o país deixado pelo ditador de Santa Comba... e é com esta realidade que a excelência se devia preocupar... Só que tal realidade tem, como seu primeiro responsável, exactamente a excelência... porque todos estamos lembrados de quando esta excelência meteu o socialismo na gaveta... se coligou com o CDS... se esqueceu, sempre, de alargar o diálogo à esquerda... deu "vivas" ao Carlucci, nos "amarrou" a Europa sem nos ouvir, enfim... esta excelência pode, agora, fazer de conta que faz de conta porque fazer de conta foi sempre o que ele fez...